segunda-feira, 22 de maio de 2017

Voo 3527 O TRAGÉDIAS




João Carlos Silva
Esp.MMA
Sobreda da Caparica





Primavera de 1980, com o símbolo da especialidade a brilhar nos ombros e com o desejado e merecido diploma nas mãos, o jovem mecãnico de avião estava pronto para novo rumo na sua curta carreira.
Passado um ano na base escola, lá pelas longínquas terras da Ota, o "velhinho" Primeiro Cabo Especialista iria rumar à Base Aérea nº6, Montijo, na margem Sul do Rio Tejo que banhava a sua cidade, a sua Lisboa, onde nascera e sempre vivera. Ia voltar para casa, pensava.

Com o sentimento do dever cumprido por ter passado mais esta prova e ter alcançado mais um objectivo, o jovem especialista apressou-se a delinear o trajecto diário que se avizinhava. Acabaram-se as semanas inteiras fora de casa. A poucos metros de casa, na Rua de São Lázaro, o amarelo da carris em direção à baixa lisboeta, para poupar uns segundos, saída em andamento na curva da Rua dos Fanqueiros para o Terreiro do Paço e passo apressado em direção à Doca da Marinha, para a "velhinha" lancha que todos os dias, incansável, já desde o início dos anos 60, várias vezes ao dia ligava as duas margens, da Lisboa velha cidade à Base da Aviação, outrora da Aviação Naval, apenas com alguns precalços causados pelos dias de nevoeiro ou pelos traiçoeiros bancos de areia em dias de maré muito baixa.
Assim, o "velhinho" Primeiro Cabo Especialista chegou à lancha e, encontrado o caminho para o porão da proa, onde viajavam os Especialistas, lá em baixo, nas catacumbas, abraçou com amizade os camaradas que com ele tinham conseguido a desejada colocação na Base Aérea nº6 e, à vontade, por ali se sentaram nos confortáveis bancos de ripas de madeira, alinhados, em fila.
Com o aproximar da hora de saída da lancha começaram a chegar os verdadeiros velhinhos, os Especialistas com vários anos de Força Aérea Portuguesa, alguns com comissões no Ultramar, no tempo da Guerra, os VCC. O "Tragédias" encarou-nos e, com ar de espanto por aquele abuso de por ali estarmos sentados à vontade, de imediato nos indicou os bancos junto às escadas de acesso e nos pôs no nosso lugar. Com o optimismo próprio da juventude, dos 18 anos acabados de fazer, rapidamente se cumpriu a viagem de travessia do Tejo, atracando toda a comitiva no cais de entrada da Base Aérea nº6, em tempos, antes de 1953, Centro de Aviação Naval Sacadura Cabral.
Naquele local, repleto de história da aviação militar portuguesa, dirigimo-nos ao edifício do Comando para a devida apresentação. O jovem mecânico trazia a secreta esperança de ser colocado na Esquadra 501, dos imponentes C-130, e assim juntar-se ao seu amigo e vizinho que um ano antes tinha percorrido os mesmos caminhos. Todos, os cerca de 28 jovens mecânicos, alinhados, no Comando, cada um com o seu sonho, com o desejo de trabalhar no seu avião de eleição.
Apresenta-se o Primeiro Cabo Especialista... começam a ser feitas as colocações, o coração acelera um pouco. Tu, tu tens cara de FIAT, vais para os FIATs (*).
E assim se inciaria uma nova etapa na carreira do jovem mecânico, uma curta carreira, mas, com raízes que ainda hoje perduram.

(*) FIAT G-91 R/3, R/4, T/3 na Esquadra 301 Jaguares, com o lema "De Nada A Forte Gente Se Temia"


segunda-feira, 15 de maio de 2017

Voo 3526 (HISTÓRIA).. - Declaração de entrega de carga.









Miguel Pessoa
Cor.Pilav
Lisboa




Historia sobre uma entrega de carga muito "sui generis"…

Declaração de entrega de carga dos ex-governantes do Estado Novo 

 Documento  magnífico
  

No dia 26 de Abril de 1974, «foram entregues» no Funchal, pelo comandante do avião que as levou de Lisboa, as «seguintes entidades»:
Américo Tomás, Marcelo Caetano, Silva Cunha e Moreira Baptista.
O governador militar assina a aceitação  e o Chefe do Estado-maior /CTIM autentica.


quinta-feira, 27 de abril de 2017

Voo 3525 O PIRATINHA - PARTE IV





José Guedes
Cmt.TAP




O PIRATINHA - parte IV (Epílogo)

Na foto com o embaixador João Sá Coutinho (RIP) e respectivas famílias na Villa Elia, embaixada portuguesa junto da Santa Sé, em Roma. Doze anos depois dos acontecimentos pudemos recordar tranquilamente as horas inquietas que ambos vivemos em Madrid naquela noite de Maio de 1980.
O embaixador João Sá Coutinho desempenhou um papel crucial na solução desta crise. Todos ficámos a dever-lhe muito.
(continuação)
Terminado o sequestro procurei de imediato um telefone que me permitisse ligar para casa e tranquilizar a minha mulher que até então estava a viver uma noite de pesadelo apesar dos telefonemas frequentes de colegas e amigos que tudo tentaram para a tranquilizar. Infelizmente nem todos, porque houve alguém que teve a infeliz ideia de lhe falar em rumores que sugeriam poder tratar-se de uma acção das Brigadas Vermelhas, organização terrorista italiana que se tornara célebre dois anos antes ao ter sequestrado e assassinado o ex-primeiro ministro italiano Aldo Moro. Enfim, nestas situações aparecem sempre uns curiosos a quererem dar-se importância não se apercebendo dos danos que podem estar a causar às pessoas envolvidas. Porém a esmagadora maioria dos amigos e colegas portaram-se à altura do acontecimento e vários foram aqueles que se dispuseram a fazer companhia à minha mulher durante a fase mais crítica do sequestro, mas ela tudo recusou. Permaneceu sozinha em casa apenas com a companhia da nossa filha de dois anos que dormia tranquilamente no seu quarto alheia à turbulência que naquele dia tinha tomado conta da nossa família.
No aeroporto a actividade era febril. A polícia passava o avião a pente fino enquanto que os mecânicos da TAP se ocupavam com inspecções de ordem técnica para se certificarem que nenhum sistema fora afectado. Jornalistas e repórteres de imagem acotovelavam-se literalmente para tentarem obter uma imagem ou declaração, tarefa quase impossível devido ao facto de os principais protagonistas terem sido levados para uma zona "esterilizada" do aeroporto a que ninguém tinha acesso. Ao fim de alguns minutos de repouso a tripulação dirigiu-se para o "debriefing" que sempre se realiza após a um acontecimento deste tipo. Iríamos fazer um primeiro relato do sucedido às autoridades e entidades envolvidas. Lembro-me que fomos literalmente escoltados até uma espécie de sala de conferências onde além dos responsáveis pela segurança do aeroporto estavam presentes o presidente e alguns administradores da TAP, elementos das Relações Públicas, do Controle de Tráfego Aéreo e da Direcção de Operações de Voo, nessa altura chefiada pelo nosso muito respeitado Comandante Hugo Damásio. Recordo que nesta altura a situação económica da TAP era verdadeiramente catastrófica devido a uma série de greves mais ou menos selvagens, a última das quais levou à intervenção do Presidente da República, General Ramalho Eanes, no sentido de evitar o encerramento da companhia. Este processo estava a ser seriamente ponderado pelo governo de então através do seu Ministro dos Transportes, eng.º Viana Baptista, curiosamente o responsável pelo Departamento de Manutenção e Engenharia da TAP até à sua chamada para o Executivo. Tudo isto para dizer que em 1980 a opinião pública estava muito desagradada com o caminho que a TAP estava a seguir devido à enorme quantidade de greves que marcaram esse período e à degradação da situação financeira da companhia que obrigava a constantes financiamentos por parte do Estado. Estava portanto na hora de a TAP proporcionar aos portugueses uma história com um final feliz e o caso do "piratinha" poderia muito bem servir para esse fim.
Só que… Só que de repente tive um choque com a realidade e comecei a pensar se não teria ido longe de mais na minha recém descoberta vocação para mediador de conflitos. De facto, ao apresentar-me perante a ilustre assembleia de responsáveis como o suposto herói da noite, condição que me facultaria (como facultou) uma boa dose de felicitações e aplausos, estava também a assumir uma elevada dose de responsabilidade que poderia causar-me, como causou, alguns dissabores. Tudo isto para dizer que quando chegou o momento de perguntar à ilustre assembleia "Então e agora, que faço às balas?" fez-se um profundo silêncio na sala. Ninguém se ofereceu para me dar cobertura naquela negociação. Os responsáveis pela TAP deram-me muitas palmadinhas nas costas mas lá iam dizendo que a empresa nada tinha a ver com o assunto. Se eu tinha dito à polícia que a arma não estava carregada não podia ser a administração da companhia a esconder tais provas só para me proteger. Fazia todo o sentido. Teria que ser eu a assumir as consequências, boas e más, das promessas que fizera ao R. Da parte das forças de segurança, como esperava, também ninguém se "chegou à frente" pelo que rapidamente me apercebi que estava metido num belo sarilho. O sequestro tinha terminado mas as minhas preocupações estavam ainda longe do fim. Em resumo, terminada a reunião dei comigo a caminho de casa, alta madrugada, com seis balas calibre 6,35 no bolso do casaco da farda. Que raio de ideia.
Quando cheguei ao apartamento onde morava, o meu primeiro gesto foi, obviamente, o forte abraço de alívio que troquei com minha mulher. Mas não durou muito.
- Espera aí um pouquinho. Tenho que fazer um telefonema urgente.
- Um telefonema urgente? A esta hora? Para quem?
- Prometi ao miúdo (sic) que quando chegasse a casa iria ligar para a mãe dele a explicar o que aconteceu. É que o R nunca passou uma noite fora, a mãe deve estar preocupada.
- A mãe dele está preocupada? Então … e eu???
- Tem calma, já te conto tudo. Agora tenho uma promessa para cumprir.
E pronto, lá fui para o telefone fazer a chamada mais bizarra de toda a minha vida. Era alta madrugada e certamente a destinatária do telefonema dormia profundamente alheia às trapalhadas em que o filho se tinha envolvido
- Bom dia. É de casa da dona M?
- Aa… Bom dia. Mas quem fala? Sabe que horas são?
- Peço desculpa, minha senhora, mas tenho um recado urgente do seu filho R.
- Do R? Mas que se passa? Aconteceu alguma coisa?
- Aconteceu mas ele está bem, não se preocupe.
- Ai meu Deus. Que fez o R?
- Vou ser muito rápido. O meu nome é José Guedes, sou piloto da TAP e ao início desta noite o seu filho assaltou o meu avião.
- O quê? O senhor deve estar é bêbado. O meu filho nunca passou uma noite fora de casa, foi lá agora assaltar um avião.
- É verdade. Ligue o rádio e ouça as notícias. O R está bem mas foi detido pela polícia. Ele não feriu ninguém mas vai ter um problema muito sério para resolver.
Desliguei o telefone e a partir daí a minha atenção concentrou-se em exclusivo na família. Dormir? Impossível, tal a dose de adrenalina que me inundava o corpo. Uma pena porque sabia que no dia seguinte não iriam faltar motivos de excitação. Os jornais iam querer saber tudo o que aconteceu e eu sabia que pelo menos o meu amigo Benjamim Formigo, o já referido jornalista do Expresso, não me iria largar enquanto não lhe desse o exclusivo da história, como acabou por acontecer. Mas teria que ter também a prometida conversa com o meu pai, juiz do Supremo, para lhe pedir que usasse da sua influência para que o R pudesse ter uma nova oportunidade (claro que ele nunca faria isso, mas eu tinha prometido que lhe falava) mas também para me aconselhar sobre o destino a dar às balas que guardava agora em minha casa. Mal sabia eu o que me esperava.
Descansei um par de horas e logo que pude liguei para casa dos meus pais em Vila do Conde à espera que do outro lado da linha viessem palavras de orgulho e aplauso. Ao fim e ao cabo tinha sido o filho deles quem mais contribuíra para solucionar a crise do avião sequestrado, folhetim que foi seguido em directo pelas rádios e televisão (só havia uma…), a notícia mais sensacional de um ano já de si rico em (más) notícias. Mas não foi nada disso que aconteceu. Quando contei ao Meritíssimo os detalhes da negociação tive como resposta um ataque de fúria:
- O quê? Tu ficaste com as balas??? Mas isso é um enorme disparate!
Ao ouvir isto senti-me novamente com 14 anos depois de ter partido a janela do vizinho com mais uma bola mal dominada.
- Mas a estratégia resultou, o tipo entregou-se, respondi a medo já pouco convencido dos méritos da minha façanha.
- Mas mentiste à Polícia e estás a fazer ocultação de provas. Isso é muito grave.
Bolas. O que me havia de acontecer. Eu que pensava que tinha engendrado uma estratégia genial para resolver o sequestro estava agora metido num rico sarilho. Qual Síndrome de Estocolmo qual nada, quando chegasse o momento da verdade os juízes e a polícia não iriam querer saber dessas teorias para nada.
- E que devo fazer então, meu pai?
- O óbvio. Vais imediatamente à Polícia Judiciária, pedes para falar com o responsável pelo caso e entregas as balas. Pede desculpa pela omissão, diz que foi só uma tentativa para resolver o problema. Pode ser que te perdoem.
Dito e feito, passado menos de uma hora sobre este telefonema estava eu na sede da Polícia Judiciária a falar com o inspector que tratava do assunto. Quando disse ao que ia ele sorriu placidamente e disse:
-As balas? Já sabíamos. O rapaz contou tudo. Mas fez bem em vir cá falar connosco. Sendo assim não haverá qualquer problema.
Ufff! Que alívio. Agora só faltava falar com o Capitão Nortadas e pedir-lhe desculpa por lhe ter mentido. Mas ele havia de compreender. Mais tarde iria falar com ele ao aeroporto, não era urgente.
Mas se eu pensava que o assunto estava encerrado estava redondamente enganado. A novela iria continuar e os episódios seguintes prometiam forte excitação. Vejamos então.
Dois dias depois do incidente uma voz masculina ligou para nossa casa, atendeu a minha mulher:
- Daqui fala o pai do amigo do seu marido
- O pai do amigo do meu marido?
- Sim, o pai do R. Ele está detido no Estabelecimento Prisional de Lisboa (Penitenciária) e quer muito falar com o senhor Guedes.
Quando cheguei a casa vindo de um voo qualquer fui confrontado com o estranho telefonema. O indivíduo que ligou tinha deixado o seu contacto e pedia urgência na resposta. Achei tudo aquilo bastante estranho mas resolvi levar o telefonema a sério. Para me proteger fui imediatamente contar aos meus superiores hierárquicos o que estava a acontecer e pedir conselho. Depois de um breve contacto com o inspector da Judiciária que se ocupava do caso a minha chefia decidiu que eu deveria aceitar o convite para visitar o R na prisão. Toda a gente achava que esta história estava muito mal contada e deveria haver qualquer coisa escondida. Se o R fazia questão em falar a sós comigo na prisão é porque teria algo de muito importante para dizer. Era o que toda a gente pensava, eu incluído.
No dia e hora combinados lá fui eu visitar o R na Penitenciária. O pai dele acompanhou-me até à porta e quando lhe perguntei se podia estar descansado ele respondeu que tinha tratado de tudo; alguém iria acompanhar-me até ao local do encontro. Comigo levava um livro que tinha comprado na Buchholz para oferecer ao detido. Ao fim e ao cabo o R iria agora ter muito tempo disponível e eu suspeitava que ele gostava de ler. Seja como for, este improvável episódio vinha lembrar-me uma vez mais que a Síndrome de Estocolmo continuava a funcionar em pleno e que dificilmente me veria livre dela.
O encontro foi rápido e não trouxe nada de novo. O R queria apenas agradecer a forma como lidei com a sua disparatada aventura e pedir-me que o não abandonasse. Agradeceu o livro que lhe ofereci e pediu-me que lhe levasse mais.
- Mas tu estás maluco, ou quê?, perguntei. Queres que eu volte aqui? Já imaginaste o que aconteceria se alguém soubesse que piloto e assaltante se encontraram para conversar numa cadeia de Lisboa?
Confesso que fiquei um bocado frustrado com esta visita e não a iria repetir acontecesse o que acontecesse. Era demasiado arriscado e não fazia qualquer sentido. Não havia mais ninguém envolvido no sequestro, como a princípio se receou, e agora era deixar que as coisas corressem naturalmente para que a Justiça cumprisse a sua missão.
Até que alguns meses mais tarde aconteceu algo que eu colocaria no topo do "ranking" dos episódios improváveis que envolveram este incidente já de si bastante caricato. Na altura dos factos eu aproveitava os intervalos dos voos para frequentar um curso de jornalismo no Instituto de Formação Social e do Trabalho que era dirigido por um chileno fugido do regime de Pinochet. Por vezes dei comigo a pensar que talvez o curso fosse financiado pelo PCP para ajudar os refugiados do Chile mas nada disso me incomodava. Eu queria mesmo era saber como se fazia um jornal e pouco me importava que fosse o PCP ou o CDS a pagar a conta. Acontece que era preciso estudar bastante e era isso mesmo que um belo dia eu fazia em minha casa na companhia do meu amigo Jorge Soares, também ele aprendiz de jornalista. Ao fim da tarde tocou a campainha. Fui abrir a porta intrigado com tão tardia visita, ainda por cima perto da hora de jantar. Quando o vi não quis acreditar. Era o R em pessoa, acabado de deixar a Penitenciária após ter cumprido o período limite de prisão preventiva. Vinha sorridente e bem vestido, bonito mesmo, fazendo jus ao seu recente estatuto de celebridade nacional, consequência das muitas entrevistas que deu a vários órgãos de informação e do movimento de solidariedade que tal como esperava se gerou à sua volta neste país de tão brandos costumes. Tinha feito a viagem de comboio até Carcavelos e alguns passageiros, jovens principalmente, reconheceram-no e pediam autógrafos. Só mesmo em Portugal.
- Que fazes aqui?, perguntei.
- Venho dar-te mais um abraço de agradecimento e pedir desculpa à tua mulher pelo mau bocado que a fiz passar.
E assim foi. Só que desta vez levou com um belo discurso da dona da casa, professora do ensino oficial e por tal motivo habituada a lidar com adolescentes problemáticos. É que ela não gostou mesmo nada daquela noite em que o marido foi sequestrado juntamente com quase mais uma centena de pessoas.
Entretanto conversa puxa conversa, o tempo ia passando e começava a anoitecer. Foi então que tive mais uma ideia algo bizarra:
- Olha, R, não estávamos a contar contigo para jantar mas não faz mal, vamos esticar o que temos. É só colocar mais um prato na mesa e jantas connosco.
- OK, obrigado, respondeu o R sem qualquer hesitação.
Foi então a vez do meu amigo e colega de estudos jornalísticos , Jorge Soares, comentar em surdina:
- Não, isto não está a acontecer. Vou jantar com o assaltante e o assaltado do avião da TAP na casa deste último como se nada tivesse acontecido? Não é possível. Devo andar a trabalhar demasiado. Preciso de férias .
Mas era verdade. Jantámos os quatro e falámos de tudo um pouco excepto do incidente que fez com que as nossas vidas se cruzassem. Quando lhe perguntei que planos tinha para o futuro R respondeu que pensava tirar o curso de Direito e casar quando encontrasse a pessoa certa. Obviamente eu seria o padrinho. Nunca aconteceu. O padrinho, pelo menos. O casamento não sei.
Tudo muito bonito mas faltava um detalhe muito importante, o julgamento. O caso tinha despertado interesse em todo o país, as opiniões dividiam-se em relação ao castigo a dar ao jovem e acima de tudo faltava saber o que pensavam os juízes que iriam ter o processo a seu cargo. Mas tudo parecia encaminhar-se para uma solução relativamente benigna. Consciente do sentimento de perdão que se apoderou da sociedade portuguesa em relação a este caso a TAP decidiu não apresentar queixa contra o R e assumiu voluntariamente todas as despesas provocadas pelo incidente. Uma vez mais veio ao de cima a generosidade da nossa companhia aérea, sempre pronta a pagar pelos erros dos outros. Não admira que esteja falida há mais de quarenta anos.
Por razões que desconheço mas que suspeito prenderem-se com a estratégia seguida pela TAP o Comandante do serviço não compareceu ao julgamento, ficando portanto a meu cargo a missão de representar os ofendidos. Como se esperava (lá voltamos à Síndrome de Estocolmo…) fui ao tribunal dizer que o R era um jovem inteligente e bem formado, só que temporariamente perturbado por um espírito inquieto que o levou a não medir correctamente as consequências do seu acto. Disse também que nunca senti que a minha vida e a de todos os outros ocupantes do avião estivesse objectivamente em perigo. A pistola existia, estava carregada, mas o R não iria nunca disparar. Pelo menos era essa a minha convicção. Além disso ao longo das horas que passámos no avião eu apercebi-me que ele era um jovem cheio de potencial, com uma capacidade intelectual acima da média e um leque de interesses bastante invulgar para a sua idade. Seria uma pena se o futuro deste rapaz ficasse comprometido por causa de um erro de juventude.
O Ministério Público rapidamente percebeu que eu me tinha passado para o lado da defesa e que não poderia contar comigo para exigir um castigo exemplar para o nosso "pirata do ar" fracassado. Parecia haver um acordo tácito entre todas as partes envolvidas no sentido de "vamos lá dar uma hipótese ao rapaz e fingir que isto não teve a gravidade que de facto teve." E assim foi. No final do julgamento o juiz decidiu que o R era culpado, merecia castigo, mas a pena ficaria suspensa por dois anos.
Terá valido a pena. A partir de então não voltei a ter contactos com o R mas sei que a vida lhe correu bem e que a história do assalto ao avião está bem guardada num qualquer recanto da sua memória. Não gosta de reviver o episódio e eu compreendo isso muito bem.
Pela parte que me toca também precisei de mais de trinta e cinco anos para me decidir a contar esta história com todos os detalhes. Ou pelo menos com aqueles de que ainda me lembro.
Propositadamente, para salvaguardar a sua privacidade, omiti os nomes de todos os protagonistas que se encontravam no interior do avião, tornando este relato numa visão meramente pessoal. Admito que passados todos estes anos a história por mim contada possa conter uma ou outra inconsistência mas acredito que no essencial reflecte aquilo que aconteceu naquela extraordinária noite de 6 de Maio de 1980.
Uma última nota. Trinta e cinco anos depois dos acontecimentos o Benjamim Formigo lembrou-me que quando lhe dei o exclusivo da história para publicação no Expresso lhe dei também uma das balas. É verdade. No meio da confusão do "dia seguinte" devo ter-me esquecido dela em qualquer lado.







Voo 3524 ACABA DE ATERRAR NA NOSSA BASE O FRANCISCO TEIXEIRA.






Francisco Teixeira
Esp.MMA





Boa Tarde amigo Barata,
A minha data da Guiné foi de 72/74, sou da 3ª incorporação de 69 da OTA.
Em  anexo envio foto actual e algumas fotos que encontrei no baú.


Foto - Futsal OTA-GITE, da esquerda para a direita em cima estão: Carriço, Eu (ainda sem bigode) e o Nunes.Em baixo da esquerda para a direita estão: o Pelika e o Abílio.


Foto - Bar de Especialistas,da Esq. eu sou o da esquerda,Eu,João Vida,Analidio e Varino.

Foto -  Postal de Natal na Guiné, mas não me lembro de que ano é.

Francisco Teixeira (530EP) LINHA DA FRENTE CANNIBAIS Esp.MMA 
HELI-9401, cheguei a BA12  em 1972 (não me recordo o mês).
Eu recordo-me de dar 2 Litros de Sangue ao Poeta, conhecia o Lanceiro, e fui o tal que no Natal de 72 andou à pancada com o Primeiro Sargento da Manutenção.
O pessoal que parava no Bar de Especialistas de certeza me conhece
 Lembro-me Também do Ten. Glória, do Foro, esse grande maluco, do Magalhães (homem da Bandeira do Porto) e do Moita grande comunista!
Gostava que a malta que me possa conhecer saiba que ainda estou cá!

Se tiverem fotografias minhas (EU TENHO!) podiam mandar por esta via.
Esqueci-me de referir  que fui eu que fui atingido em Buruntuma ( em 73 não me recordo do mês) com o Heli-9376 com o Piloto Valadas, já do Lobo Mau, o atirador era o Oliveira, não me recordo do nome do Piloto (só me lembro que era baixinho)
Depois do Pessoa atingido e do Brito abatido houve greve dos Pilotos, no dia seguinte, tive de ser eu a voar todo o dia com o Major Lemos Ferreira (o Único Zingarelho que esteve no ar na Guiné nesse dia), e esta hein?

Abraço

Francisco Teixeira

quarta-feira, 19 de abril de 2017

Voo 3523 Parabéns Comandante!


Victor Barata
Melec/Inst. Av.
Vouzela








Hoje é dia de festa, o nosso comandante Victor Barata, completa mais um aniversário, pelo que a Tertúlia Especialistas da BA12 te envia os parabéns, com o desejo de que este dia se repita por muitos e longos anos, felizes, na companhia dos que te são queridos.



Um forte abraço,

terça-feira, 4 de abril de 2017

Voo 3522 O PIRATINHA - Parte III






José Guedes
Cmt.TAP



O PIRATINHA - Parte III

João Sá Coutinho era um diplomata à moda antiga, um homem educado, afável e ponderado com muitos anos de experiência na carreira diplomática, a pessoa ideal para levar a bom termo uma missão deste tipo. Porém faltava-lhe a capacidade para fazer milagres e isso notou-se quando nos transmitiu a resposta do primeiro ministro Sá Carneiro:
- Lamento, senhor Comandante, mas o primeiro ministro diz que a esta hora os bancos estão fechados e não será possível reunir qualquer quantia em dinheiro com essa dimensão. Quanto ao salvo conduto, essa figura pura e simplesmente não se aplica às actuais circunstâncias.
Belo sarilho. E agora?
O nosso amigo (agora já podia tratá-lo como tal) continuava sentado no cockpit com a arma na mão, ouviu tudo através dos alto falantes e não deixou de manifestar a sua decepção.
- Estamos mal, disse. "As coisas começam a complicar-se.
Isto podia parecer uma ameaça mas preferi pensar que não seria mais que um desabafo de alguém que começava a sentir-se encurralado. Era preciso agir depressa e sobretudo manter o bom senso.
Estávamos nós em plena conversa tentando encontrar saídas para a situação quando alguém bateu à porta do cockpit. Era a Chefe de Cabina e trazia consigo um passageiro que tinha uma proposta para apresentar. Abrimos a porta e deixámos entrar o passageiro, um homem de meia idade com a pele muito branca e cabelo claro que se apresentava como diplomata ao serviço da Suécia. Falava um razoável português e logo lhe perguntámos ao que vinha:
- Gostaria de poder ajudar a encontrar uma solução, disse. Sou sueco, diplomata, e acredito que a mediação de uma entidade neutra poderá desbloquear a situação.
A ideia não me pareceu particularmente interessante, que raio faria um diplomata sueco no meio disto tudo, mas tanto bastou para que a esperança do R renascesse e logo ali lhe deu inteira liberdade para actuar:
- Pois então diga lá qual é o seu plano.
Foi então que aconteceu um dos episódios mais caricatos daquela noite que já de si não tinha muito de normal. O embaixador da Suécia em Espanha foi chamado a comparecer na Torre de Controle do aeroporto de Barajas para negociar a libertação de um avião português mantido sob sequestro em solo espanhol e que tinha a bordo umas dezenas de cidadãos portugueses. Além do tal diplomata sueco, claro. Cerca de meia hora depois de ter sido chamado o surpreendido embaixador da Suécia chegou à Torre de Controle e pediu para falar via rádio com o seu insensato patrício que continuava no cockpit a saborear o seu momento de glória. Seguiu-se um diálogo em sueco que foi subindo gradualmente de tom, tudo levando a crer que o representante do Reino da Suécia em Madrid não tinha gostado nada de ser chamado a meio da noite para se envolver numa crise com a qual nada tinha a ver. Quando terminou a gritaria (sim, os suecos também gritam) percebi que aquele bizarra tentativa tinha falhado:
- Lamento mas o nosso embaixador diz que nada pode fazer, admitiu pesaroso o diplomata sequestrado.
- Eu ficaria muito surpreendido se acontecesse o contrário, acrescentei. E pareceu-me que ele ficou tão irritado com a vossa conversa que nem com a sua libertação se preocupou.
- Pois. De facto…
- Enfim, obrigado pela tentativa. Mas se me permite uma pergunta, qual é o seu estatuto na carreira diplomática?
- Eu? Sou vice cônsul da Suécia em Portimão.
- Vice cônsul da Suécia em Portimão???, repeti. Realmente hoje não é o meu dia de sorte.
Ainda hoje não entendo o que terá passado pela cabeça do nosso passageiro sueco para se arriscar a levar, como suspeito que levou, uma enorme reprimenda do seu embaixador. Estaria em busca dos seus 15 minutos de fama e glória ou foi apenas uma ideia pouco lúcida provocada pelo stress da situação? Agradeci a tentativa e pedi-lhe que regressasse ao seu lugar, o que fez de imediato. Fim da mediação diplomática.
O tempo passava e as negociações tinham chegado a um impasse. O embaixador Sá Coutinho continuava na Torre de Controle e íamos trocando algumas palavras via rádio sem que se vislumbrasse uma saída para a crise. À medida que o tempo passava a situação ia-se degradando. O R começava a revelar claros sinais de fadiga física e psicológica que poderiam sugerir dois caminhos: uma rendição incondicional que poderia ter sérias consequências para o próprio ou uma acção violenta provocada pelo desespero. Era necessário usar da máxima prudência e bom senso para conseguir que esta história tivesse um final relativamente feliz.
 Dado o aparente bloqueio da situação resolvi jogar as cartas todas e convidei o R para uma conversa a sós no cockpit. Aceitou. Foi então que dei por mim em plena noite madrilena sentado aos comandos de um Boeing 727 da TAP a falar sobre a minha família com o jovem que me mantinha sob sequestro. Mostrei fotografias da minha filha nascida dois anos antes (é linda, não é?), falei da minha mulher, da minha mãe, enfim, das mulheres que marcavam a minha vida sabendo que o R era sensível ao assunto. Afinal ele já tinha dito que a própria mãe tinha um relacionamento problemático com o marido e que o assalto ao avião pretendia chamar a atenção para isso mesmo.
- Que achará a tua mãe de tudo isto, R?, perguntei sem grande expectativas em relação à resposta. Não respondeu na altura mas viria a responder mais tarde. Já lá iremos.
Ocorreu-me então fazer uma proposta que só a mim comprometia. Tinha consciência que podia estar a exceder as minhas responsabilidades mas também sabia que tudo era preferível a uma intervenção armada por parte das forças policiais. Decidi arriscar:
- Sabes, R, o meu pai é juiz conselheiro do Supremo Tribunal de Justiça, o órgão mais importante e prestigiado do sistema judicial português. Ele próprio é uma pessoa muito respeitada e as suas opiniões são ouvidas com atenção sempre que se fala de Direito. Quando isto acabar irei pedir-lhe que use a sua influência para que este caso seja tratado com a maior compreensão e benevolência possíveis. Tu és muito novo, tens a vida pela frente, os juízes saberão dar-te uma nova oportunidade.
Não tive resposta. R fechou-se sobre si próprio parecendo reflectir sobre o que havia sido dito. Tinha um brilho especial nos olhos, talvez uma lágrima tivesse escapado ao seu controle.
- Vamos fazer um acordo, insisti. Se me entregares a arma prometo que vamos fazer tudo para que este incidente termine em Lisboa. Temos que sair daqui porque os espanhóis são terríveis a tratar destes assuntos, não podemos arriscar. Quando chegarmos a Portugal eu digo às autoridades que a tua pistola estava descarregada, sem balas. Juro pela família que há pouco te dei a conhecer.
A ideia pareceu ser bem recebida, o que me deu um novo alento. Ficámos uns instantes em silêncio, olhámos duas ou três vezes um para o outro como que à procura de sinais que falassem mais que as nossas palavras. Até que surgiu uma esperança:
- Prometes?, perguntou.
- Prometo, em nome da minha família. E prometo também que tudo farei para que o teu castigo não seja demasiado severo. Terás em mim um amigo para o resto da vida.
Isto não era apenas estratégia de negociação. Era a Síndrome de Estocolmo no seu melhor, assaltante e assaltado unidos por uma torrente de emoções que só podia levar a um de dois caminhos: sucesso ou tragédia.
- Vou pensar no assunto, disse. Preciso de tempo.
- Tens que libertar os passageiros que ainda estão a bordo, insisti. Está lá fora uma força policial pronta para intervir e não podemos permitir que eles corram riscos. Além do mais estão famintos e nervosos.
Houve uma pausa. R olhou então para mim e disse com a voz embargada:
- OK, vamos deixar sair os passageiros e as hospedeiras, mas vocês (pilotos e operador de sistemas) ficam a bordo. Isto ainda não acabou.
Boa noticia. A aventura aproximava-se do fim e agora bastava manter a calma para que ninguém deitasse a perder o trabalho até aí pacientemente desenvolvido.
Informámos a Torre de Controle que mais pessoas iriam abandonar o avião através da escada estrutural e demos então instruções à Chefe de Cabina para que procedesse de acordo. O Operador de Sistemas ficaria responsável pela recolha da escada estrutural caso todos os comissários e assistentes de bordo decidissem abandonar o avião mas algo me dizia que tal não viria a ser necessário.
O ambiente dentro do cockpit continuava tenso. A negociação continuava e as emoções iam subindo de tom. Num dado momento pareceu-me ver uma lágrima a escorrer pela face do R e isso bastou para que eu próprio começasse a largar um rio delas. Passei a sentir-me protagonista de uma telenovela mexicana de quinta categoria mas isso até me parecia de bom agoiro pois ao que consta todas as novelas, mexicanas ou outras, costumam ter um final feliz. Eu até nem aprecio particularmente cenas "lamechas" mas sabia que as emoções poderiam desempenhar um papel crucial na solução deste problema. Por outro lado todos nós revelávamos já sinais de acentuada fadiga física e psicológica, só queríamos que o pesadelo chegasse ao fim o mais depressa possível.
Os passageiros abandonaram então o avião e sem surpresa verifiquei que a tripulação de cabina optara por ficar a bordo acompanhando assim os seus colegas de cockpit naqueles momentos decisivos. Grandes profissionais, feitos daquela mesma massa que permitiu a uma companhia de aviação de um pequeno país tornar-se numa referência da indústria a nível mundial em menos de trinta anos. Mas não se tratava apenas de profissionalismo, tratava-se de solidariedade e respeito para com os colegas que ainda continuavam sob ameaça. Ainda hoje, mais de trinta e cinco anos passados sobre os factos relatados, fico sensibilizado ao recordar tão nobre gesto.
Finalmente R decidiu entregar-me a arma e as balas, ou melhor, algumas balas e a arma. Eu explico. Numa primeira fase vieram apenas as munições, cinco no total, facto que não me deixou completamente satisfeito:
- Então e a arma? E o resto das munições?, perguntei. Olha que eu fui militar, andei na guerra de Angola e sei que as pistolas costumam ter seis balas ou mais, raramente têm menos.
Fez-se um breve silêncio e depois veio a resposta completamente inesperada:
- A sexta vai ser para mim. Isto já não tem saída.
- Mas tu estás parvo ou quê?, ataquei de imediato armado em pai de um filho apanhado em flagrante a fazer um enorme disparate.
- Então agora que já encontrámos uma solução para o nosso (e acentuei o "nosso") caso é que tu queres estragar tudo? Nem penses, não o vou permitir.
A voz grossa e o tom com que falei pareciam ter surtido algum efeito. Trocámos mais algumas palavras e depois, mais minuto menos minuto, mais lágrima menos lágrima, a verdade é que a pistola acabou mesmo no interior da minha mala de voo. As balas, meia dúzia delas, ficaram no meu bolso. Estava ganha a parte mais importante da batalha. Demos um forte e emocionado abraço, como fariam dois amigos de longa data, e logo depois partimos a informar o resto da tripulação que tínhamos chegado a um acordo. Agora era preciso convencer os espanhóis a deixarem abastecer o avião para que pudéssemos regressar a Lisboa, alegadamente ainda sob sequestro. Era mentira, mas tratava-se de cumprir uma das promessas que foram feitas ao longo da noite: não iríamos entregar o R às autoridades espanholas.
O primeiro a saber das nossas intenções foi o embaixador Sá Coutinho, que se manteve todo o tempo em contacto connosco a partir da Torre de Controle de Barajas. Anos mais tarde, durante um fim de semana que minha mulher e eu passámos a seu convite na Villa Elia, Embaixada Portuguesa no Vaticano, João Sá Coutinho dir-me-ia que toda a gente entendeu a nossa "mentira", a começar pelos espanhóis. Mas como o que eles queriam verdadeiramente era verem-se livres de nós fingiram acreditar que o avião continuava sob sequestro e mandaram abastecer os tanques de combustível de acordo com as nossas instruções ao mesmo tempo que mandavam desmobilizar as forças de segurança que ainda se mantinham em posição de assalto. Estava ganha a última batalha, agora só tínhamos que voltar para Lisboa em segurança e entregar o R às autoridades portuguesas.
Com os tanques de combustível abastecidos e os motores em marcha dirigimo-nos para a pista de serviço e aguardámos autorização para seguir viagem. Uma vez obtida a "clearance" para a partida o comandante assumiu o controle do aparelho e efectuou a descolagem enquanto eu ia executando os procedimentos complementares. Uma vez no ar, com o avião "limpo" e a ganhar rapidamente altitude, foi a minha vez de anunciar ao Controle de Tráfego Aéreo que o sequestro tinha terminado e que o Boeing 727 da TAP iria regressar a Lisboa. Agradeci toda a colaboração prestada pelas autoridades espanholas e aproveitei para enviar um abraço muito especial para o embaixador Sá Coutinho, nosso anjo da guarda durante as horas em que estivemos sob ameaça no aeroporto de Madrid.
A viagem até ao Aeroporto da Portela durou pouco mais de 50 minutos, ligeiramente mais rápida que o habitual já que todos nós estávamos ansiosos por dar esta aventura por terminada. Mas ainda havia muito para fazer e alguns "nós" para desatar. Por exemplo, eu guardava na minha mala de voo uma pistola e as respectivas munições e interrogava-me se à chegada iria ter coragem para mentir às autoridades portuguesas declarando que a arma não tinha balas. Mas tinha assumido um compromisso com o R e teria que o respeitar, desse lá por onde desse. Se a mentira tivesse consequências só teria que as assumir mas o importante mesmo era honrar a palavra dada, princípio sagrado de que nunca abdicaria.
O "Bissau" aterrou na pista 36 da Portela e dirigiu-se imediatamente para um lugar de estacionamento discreto longe dos olhares dos jornalistas e dos curiosos. Note-se que desde o fim da tarde da véspera a rádio e a televisão (RTP) davam frequentes informações sobre o sequestro do avião da TAP, pelo que todo o país aguardava com preocupação e ansiedade o desfecho desta crise. Quando o Boeing se imobilizou reparei que havia nada menos que seis carrinhas da PSP cheias de agentes à espera do nosso "piratinha" agora promovido à condição de inimigo público.
O primeiro a subir a bordo foi o comandante da força de polícia, o meu bem conhecido Capitão Nortadas, responsável pelo destacamento permanente da PSP no aeroporto com quem já tivera várias reuniões no âmbito da comissão FAL-SEC a que ambos pertencíamos, ele em representação das forças de segurança e eu do Sindicato dos Pilotos. Entrou no avião, cumprimentou os tripulantes, deixou para mim um rápido "ah, era você?" e de seguida convidou o R a acompanhá-lo, ao que este acedeu de pronto.
- Então, e a arma?, perguntou.
- Está aqui, senhor Capitão, respondi.
Dito isto entreguei-lhe a pistola que tinha em meu poder. Olhou-a com cuidado, mexeu, remexeu e depois perguntou:
- Então e as munições?
- Não tinha, senhor Capitão, menti descaradamente.
- Não tinha??? Tem a certeza do que está a dizer?
- Absoluta. O rapaz não queria fazer mal a ninguém, foi só uma aventura disparatada, menti novamente com a consciência que estava a proteger alguém que durante várias horas me apontara uma arma pronta a disparar. A Síndrome de Estocolmo não parava de me apoquentar.
(Continua)


Origem do voo

O Aviador


domingo, 2 de abril de 2017

VOO 3521 – 40º. ENCONTRO DE ESPECIALISTAS DA BA-12


Boa tarde companheiros

Anexamos a convocatória para o 40º. Encontro de Especialistas da BA-12, que terá lugar na zona de Vila Nova de Famalicão, sobre o comando do nosso companheiro Adelino Paredes Cardoso (metralha/lobo mau).

Lembramos a necessidade de fazerem as vossas marcações com especial incidência para os que querem ir de autocarro (como já é norma) de Lisboa (Estado Maior de FAP) para o nosso encontro.





FALTAM  56  DIAS


Lembramos ainda aos que já disseram que vão ao encontro, pela nota de eventos colocada pelo Mário Aguiar no FB, que deverão confirmar por email ou telefone para um dos elementos destacados.


quarta-feira, 29 de março de 2017

Voo 3520 O PIRATINHA - Parte II




José Guedes
Cmt.TAP
Lisboa




Dado que a minha estratégia de sedução parecia estar a resultar e uma vez que o Comandante do voo achava bem que eu mantivesse aberto o canal de comunicação acabado de estabelecer, decidi passar à ofensiva.
- Pronto, R, já estamos a caminho de Madrid. Daqui a uns quarenta minutos estaremos a aterrar em Barajas, mas por favor agora acalma-te e deixa de nos apontar essa pistola antes que faças algum disparate.
Estas palavras pareceram surtir efeito. O R sentou-se na cadeira por trás do Comandante e pousou a arma no regaço, porém sem nunca a largar da mão.
- OK, mas não tentem enganar-me, respondeu. Sei bem o que quero e não tenciono desviar-me um milímetro do meu plano.
Tudo estava a decorrer como mandam os livros. A regra número um em situações deste tipo é não resistir. O disparo de uma arma, mesmo de pequeno calibre, pode provocar danos irreparáveis num avião e colocar em perigo a vida de todos os seus ocupantes. É absolutamente imperioso evitar que isso aconteça. Depois há que estabelecer canais de comunicação e criar um ambiente propício à negociação.
- Muito bem, R, continuei, enfatizando o "R" para que a simples menção do nome acentuasse a sensação de proximidade. E o que é que tu queres afinal?
Durante alguns instantes fez-se um profundo silêncio. R parecia reflectir sobre a situação, baixando os olhos por alguns instantes. Até que lá veio a resposta à minha pergunta:
- As coisas em minha casa andam muito mal. Os meus pais não se entendem e eu não quero aturar mais aquilo.
- Sim, eu compreendo, respondi. Mas que tem isso a ver com esta loucura?
- Estou farto. Quero vinte milhões de dólares e um salvo conduto para a Suiça.
Fiquei gelado. Que disparate era este, quem é que convenceu este rapaz que se conseguem vinte milhões de dólares assim do pé para a mão e ainda por cima à noite? E quem lhe disse que depois poderia fugir para a Suiça e manter-se por lá em completa liberdade ao abrigo do tal salvo conduto? Havia que manter a calma. Pelo menos já sabíamos o que estava em jogo, já era qualquer coisa.
- Vinte milhões de dólares? Não vai ser nada fácil, disse. E a quem deveremos pedir tamanha importância?
- À TAP, claro.
- À TAP???" perguntei. Mas tu não sabes que a TAP não tem dinheiro para mandar cantar um cego? Não lês os jornais?
De facto já na altura a TAP dava mostras de grande fragilidade financeira devido à perda de algumas das linhas mais rentáveis, Angola e Moçambique nomeadamente, e às sucessivas greves que afectaram a empresa durante o período revolucionário, razão pela qual eu achava que o argumento tinha tudo para ser convincente. E foi.
- Então a quem peço?, inquiriu R surpreendido.
- Não faço ideia, mas essa quantidade de dinheiro não vai ser fácil de encontrar em Portugal. Somos um país pobre, como sabes. Além disso os bancos estão fechados durante a noite.
- Muito bem. Sendo assim vamos então pedir os vinte milhões de dólares ao Governo. Assunto arrumado.
Pois que fosse então o governo a resolver a questão. O primeiro ministro da altura era Francisco Sá Carneiro e ele já tinha traquejo mais que suficiente para lidar com problemas deste género. Não iria encontrar os tais vinte milhões de dólares, isso eu tinha a certeza, mas iria certamente aparecer com uma solução bem mais criativa. Pelo menos era essa a minha expectativa.
Entretanto o Boeing 727 da TAP aproximava-se do Aeroporto de Barajas em Madrid onde entretanto já fora accionado o dispositivo de emergência previsto para situações deste tipo. O Controle de Tráfego Aéreo espanhol passou a comunicar connosco numa frequência VHF específica e afastou da nossa rota todos os aviões que se encontravam na sua área de responsabilidade. O nosso voo era agora o centro de todas as atenções.
A aterragem em Barajas decorreu sem qualquer problema numa altura em que as luzes de baixa pressão das bombas de combustível já começavam a piscar, significando isso que já não nos restariam mais que 10 ou 15 minutos de voo até que os três reactores Pratt & Whitney do avião começassem a falhar. Isso acontecia porque o aeroporto alternativo previsto no plano de voo era Lisboa e não Madrid, que fica um pouco mais distante de Faro. Mas ainda tínhamos os tais 15 minutos de reserva pelo que a situação de combustível poderia considerar-se relativamente benigna dadas as circunstâncias.
Logo após a aterragem o nosso "pirata do ar" pediu o microfone do sistema de comunicação interno e anunciou ele próprio aos passageiros o que estava a acontecer enquanto que nós, pilotos, tudo fazíamos para tentar descobrir o local remoto longe da placa de estacionamento para onde a Torre de Controle nos queria enviar. Esta é uma prática habitual em situações deste tipo, isso já eu sabia, mas confesso que a ideia de passar a ter o avião cercado por umas dezenas de agentes das forças especiais não me deixava nada tranquilo. Era preciso evitar que as forças de segurança tomassem de assalto o Boeing, operação de alto risco que só aprovaríamos se tudo o mais falhasse.
- Diga-lhes que tenham calma, por favor, implorei ao controlador de serviço na Torre de Controle de Barajas. O sequestrador é um jovem emocionalmente perturbado, estamos a conversar com ele há um par de horas e acredito que tudo se vai resolver a bem. É só uma questão de tempo. Entretanto peçam ao embaixador de Portugal para comparecer na Torre de Controle logo que possível. Vamos ter que negociar.
Ficámos então à espera que o nosso embaixador saísse da cama e viesse para o aeroporto tentar resolver este enorme problema. Entretanto tínhamos muito que fazer a bordo do Boeing 727 da TAP. Desde logo manter a calma dos oitenta e três passageiros e restantes tripulantes, para não falar nos agentes da força de intervenção que tomaram posição em volta do avião. Repetimos até à exaustão junto dos nossos interlocutores no aeroporto que a situação estava sob controle e que não seria necessário o uso da força para resolver o problema, pelo menos na fase em que então estávamos. Apesar disso, soube mais tarde que os agentes especiais chegaram a treinar a operação de resgate num B727 da Iberia que estava estacionado na placa do aeroporto. Mas havia outras questões para resolver, nomeadamente a falta de comida a bordo. Como originalmente este era um voo doméstico o plano de "catering" apenas previa um serviço de bebidas (chá, café, sumos) aos passageiros, razão pela qual estes começaram a pedir qualquer coisa para comer pouco depois da chegada a Madrid. Havia jovens e crianças a bordo, cujos estômagos não podem estar inactivos durante grandes períodos de tempo e por isso era necessário procurar uma solução compatível com o estado de emergência em que nos encontrávamos. Discutimos o caso com o R, que continuava sentado no cockpit sempre com a arma na mão. Ele concordava que esta questão tinha que ser resolvida mas não aceitou a sugestão da equipa que conduzia as negociações para que um contentor com víveres fosse enviado para bordo, talvez porque receasse algum produto "extra" que pudesse vir a ser incluído na embalagem. Pediu então para que se fizesse uma contagem das mulheres, crianças e idosos que estivessem entre os passageiros para eventualmente serem libertados. Dizem os livros que este é o primeiro sinal de fraqueza que um "pirata do ar" revela durante uma situação deste tipo, facto que eu não ignorava e que por essa razão transformei num sinal de esperança. Mas o problema ainda não estava resolvido, longe disso.
Passado todo este tempo confesso que não me lembro dos números, mas vamos admitir que seriam trinta e oito os candidatos à libertação imediata, a maioria mulheres e crianças. Confirmada a autorização por parte do R informámos a torre de controle que alguns passageiros iriam abandonar o avião pela porta situada na cauda do aparelho à qual está acoplada uma escada estrutural. Claro não era possível controlar quem saía e quem ficava a bordo naquelas circunstâncias, pelo que bastava espreitar através das janelas do cockpit para ver que mais de cinquenta pessoas corriam já desordenadamente em direcção aos edifícios do aeroporto. O R não gostou do que viu e ordenou que se fechasse imediatamente a porta:
- Quem saiu, saiu. Não sai mais ninguém, gritou através do microfone.
Convém aqui recordar que havia três reféns (nós próprios) no cockpit e que por essa razão as ordens, quaisquer que fossem, eram para cumprir. Ainda por cima sendo eu o interlocutor privilegiado de quem detinha o controle da situação seria seguramente o primeiro a ser abatido se algo corresse mal. Logo eu que tinha passado dois anos na guerra colonial em Angola sem ter sofrido um único arranhão e que pilotava aviões há mais de seis ia agora sucumbir a um disparate destes? Nem pensar, não estava nada para aí virado.
A porta das traseiras foi então novamente fechada numa altura em que já se viam uns quantos vultos negros, as forças especiais, a tomarem posição cada vez mais perto do avião. Essa foi sempre, confesso, a minha maior preocupação, algo que escapava completamente ao nosso controle e nos colocava numa condição de vítimas indefesas perante as circunstâncias e um grupo de agentes policiais fortemente armados.
Finalmente o embaixador João Sá Coutinho (Aurora) chegou à torre de controle e esse facto bastou para nos dar uma maior tranquilidade em relação a todo o processo. Seria uma espécie de "pivot" desta negociação e acreditávamos que nenhuma decisão seria tomada sem o seu conhecimento e aprovação. Havia agora que aguardar a resposta de Francisco Sá Carneiro às exigências do nosso "pirata" entretanto transmitidas para Lisboa pelo embaixador, os tais vinte milhões de dólares no bolso e um salvo conduto para a Suiça. Enquanto aguardávamos uma decisão do chefe do governo português não nos cansávamos de pedir ao nosso interlocutor que fizesse tudo para manter as forças de intervenção sob controle pois acreditávamos que seria apenas uma questão de tempo até que tudo se resolvesse.
(Continua)
Na imagem - Durante o julgamento o advogado de defesa do R exemplifica como ele apontava a arma. Eu sou o alvo.



Origem do voo.
O Aviador


domingo, 26 de março de 2017

Voo 3519 40º ENCONTRO NACIONAL AEFA





Augusto Ferreira
Esp.Melec.Inst.Av.
Coimbra










40º ENCONTRO NACIONAL AEFA

Com a participação de mais de sete centenas e meia de associados, com o CEMFA, Comandante da BA2, Presidente da C.M. de V.N. de Poiares e outros convidados, realizou-se este sábado dia 25/03/2017 na base mãe BA2 – Ota, mais um extraordinário encontro, promovido pela Associação de Especialistas da Força Aérea (AEFA).
Com um programa extenso, bem detalhado e cumprido a rigor, conseguiu manter todos os presentes atentos e interessados, durante o desenrolar do evento.
Estiveram presentes grandes e velhos amigos, alguns deles com altos cargos no passado na nossa FAP, mas eternamente amigos dos Especialistas.
Os reencontros com antigos companheiros voltou a acontecer. Pessoalmente revi amizades com alguns, que já não via há cerca de cinco décadas.
E é isto que torna fascinante estes encontros e únicos, por se tratarem dos mais abrangentes a nível nacional.
Não vou falar em pormenor do Encontro, porque como disse em cima, foi demasiado rico em acontecimentos e tornaria fastidiosa esta leitura. As imagens que envio em anexo falarão sobre ele.
Tivemos ainda a bênção dos céus da Ota, que mantiveram sempre em “stand by” lindos conjuntos de nuvens, que voaram a baixa altitude durante todo o Encontro, como querendo participar nele, sem nunca o perturbar com as águas que transportavam.
À Direcção Nacional da AEFA e seus Núcleos e restante equipa os parabéns por mais esta organização que foi excelente, onde com todo o seu esforço e dedicação estão a revitalizar o espírito Especialista, trazendo de volta muitos mais a estes encontros.
Obrigado
ESPECIALISTAS SEMPRE

Voo 3518 O AREAL PARTIU PARA O SEU ÚLTIMO VOO.



EDMUNDO AREAL


Companheiros
Ontem quando viajava para a Ota na companhia de mais quatro companheiros para comemorar-mos o 40º aniversário da nossa AEFA,eis que recebo uma chamada telefónica cujo o numero não era por mim reconhecido.
Atendi como habitualmente.
-Estou sim’
-Bom Dia Barata. Sou a mulher do Areal.
Logo imaginando o pior, respondi assim
-Vou ter uma notícia triste…
-É verdade, o Areal acabou de falecer.
Alegria que me levava para a Ota, onde iria reencontrar muitos daqueles que comigo e com ele conviveram, transformou-se numa tristeza não deixando que umas abusadoras lágrimas se soltassem dos meus olhos.
Muito para além de saber que o seu estado de saúde não era o melhor á algum tempo. ver partir um COMPANHEIRO que me ajudou a ser HOMEM passando em comunhão comigo momentos  difíceis durante o período da guerra colonial na província da Guiné…é duro.
Acabei de saber á pouco que o seu funeral se realiza hoje, dia 26,da igreja de Albergaria, em Carregal do Sal pelas 18 h,para o cemitério local.
Em meu nome pessoal e de toda a tertúlia, endereço á família sentidas condolências