domingo, 26 de março de 2017

Voo 3519 40º ENCONTRO NACIONAL AEFA





Augusto Ferreira
Esp.Melec.Inst.Av.
Coimbra










40º ENCONTRO NACIONAL AEFA

Com a participação de mais de sete centenas e meia de associados, com o CEMFA, Comandante da BA2, Presidente da C.M. de V.N. de Poiares e outros convidados, realizou-se este sábado dia 25/03/2017 na base mãe BA2 – Ota, mais um extraordinário encontro, promovido pela Associação de Especialistas da Força Aérea (AEFA).
Com um programa extenso, bem detalhado e cumprido a rigor, conseguiu manter todos os presentes atentos e interessados, durante o desenrolar do evento.
Estiveram presentes grandes e velhos amigos, alguns deles com altos cargos no passado na nossa FAP, mas eternamente amigos dos Especialistas.
Os reencontros com antigos companheiros voltou a acontecer. Pessoalmente revi amizades com alguns, que já não via há cerca de cinco décadas.
E é isto que torna fascinante estes encontros e únicos, por se tratarem dos mais abrangentes a nível nacional.
Não vou falar em pormenor do Encontro, porque como disse em cima, foi demasiado rico em acontecimentos e tornaria fastidiosa esta leitura. As imagens que envio em anexo falarão sobre ele.
Tivemos ainda a bênção dos céus da Ota, que mantiveram sempre em “stand by” lindos conjuntos de nuvens, que voaram a baixa altitude durante todo o Encontro, como querendo participar nele, sem nunca o perturbar com as águas que transportavam.
À Direcção Nacional da AEFA e seus Núcleos e restante equipa os parabéns por mais esta organização que foi excelente, onde com todo o seu esforço e dedicação estão a revitalizar o espírito Especialista, trazendo de volta muitos mais a estes encontros.
Obrigado
ESPECIALISTAS SEMPRE

Voo 3518 O AREAL PARTIU PARA O SEU ÚLTIMO VOO.



EDMUNDO AREAL


Companheiros
Ontem quando viajava para a Ota na companhia de mais quatro companheiros para comemorar-mos o 40º aniversário da nossa AEFA,eis que recebo uma chamada telefónica cujo o numero não era por mim reconhecido.
Atendi como habitualmente.
-Estou sim’
-Bom Dia Barata. Sou a mulher do Areal.
Logo imaginando o pior, respondi assim
-Vou ter uma notícia triste…
-É verdade, o Areal acabou de falecer.
Alegria que me levava para a Ota, onde iria reencontrar muitos daqueles que comigo e com ele conviveram, transformou-se numa tristeza não deixando que umas abusadoras lágrimas se soltassem dos meus olhos.
Muito para além de saber que o seu estado de saúde não era o melhor á algum tempo. ver partir um COMPANHEIRO que me ajudou a ser HOMEM passando em comunhão comigo momentos  difíceis durante o período da guerra colonial na província da Guiné…é duro.
Acabei de saber á pouco que o seu funeral se realiza hoje, dia 26,da igreja de Albergaria, em Carregal do Sal pelas 18 h,para o cemitério local.
Em meu nome pessoal e de toda a tertúlia, endereço á família sentidas condolências

quinta-feira, 23 de março de 2017

Voo 3517 O PIRATINHA PARTE I





José Guedes
Cmt.TAP





AVISO IMPORTANTE - A história que se segue é demasiado longa para ser contada em apenas uma publicação (post) no Facebook. Para fazer face a esse tipo de constrangimento e para facilitar a sua leitura decidi dividi-la em quatro partes irão sendo publicadas ao longo de outras tantas semanas neste espaço. Oxalá gostem.

O PIRATINHA - Parte I

Aquela terça feira 6 de Maio de 1980 tinha tudo para ser um dia profissionalmente "fácil" apesar do aviso premonitório do Benjamim Formigo, entusiasta da aviação, jornalista do Expresso e meu amigo pessoal. Durante a manhã tínhamos estado juntos no Sindicato dos Pilotos a trabalhar no embrião daquilo que viria a ser uma revista de aviação que ainda hoje perdura, a Sirius, até que no momento da despedida ele se virou para mim e perguntou:
- Então que fazes hoje?
- Vou ali a Faro e já venho, respondi.
- Isso achas tu, disse ele.
Confesso que na altura não dei qualquer importância a tão inusitado comentário mas depois de ter acontecido o que aconteceu não resisti a perguntar onde raio tinha ele ido buscar tal premonição.
- Era a brincar, respondeu. Mas numa altura em que havia aviões a serem desviados quase todas as semanas por que carga de água não poderíamos ter uma coisa dessas em Portugal?
Se estivéssemos na América eu diria que este foi um claro caso de "wishful thinking" que acabou por transformar um desejo do Benjamim em realidade e mais tarde lhe valeu uma das mais brilhantes reportagens da sua carreira. À minha custa, claro.
Mas vamos lá então à história.
A minha escala de voo para esse dia previa apenas a realização de um voo doméstico Lisboa / Faro / Lisboa com apresentação no aeroporto da Portela pelas cinco da tarde, o que significava que se tudo corresse bem estaria de volta a casa pelas dez da noite, mais coisa menos coisa. Do ponto de vista pessoal este programa até me dava jeito pois com escalas destas nenhum piloto fica cansado, mas ponderando as coisas de uma forma mais objectiva era evidente que a TAP também não teria grande futuro ao subaproveitar dessa forma os seus recursos técnicos e humanos. Mas este era um sinal dos tempos conturbados que então se viviam num Portugal recém saído do PREC (Processo Revolucionário Em Curso) em que os sindicatos andavam muito mais preocupados com as regalias dos trabalhadores do que com a solvência das empresas. Mas isso é outra conversa que não é para aqui chamada, passemos adiante.
A viagem desse dia não correu nada bem e acabei por regressar ao apartamento de Carcavelos onde então morava não ao princípio da noite mas antes ao raiar do dia seguinte. Porém cheguei "inteiro", encharcado em adrenalina e com uma história espantosa para contar.
Como disse, o serviço dessa tarde consistia num voo doméstico entre Lisboa e Faro, seguido de regresso. O avião era um Boeing 727/100 com a matrícula CS-TBQ, "Bissau" de seu nome, um aparelho já algo cansado mas ainda em boa forma que nesse dia iria transportar 83 passageiros, alguma carga e o habitual correio. A tripulação era formada por Comandante, Copiloto, Operador de Sistemas e quatro assistentes de bordo. Eu era o Copiloto do serviço e por larga margem o elemento mais jovem no cockpit, facto que viria a ter uma importância decisiva na solução da crise por que viríamos a passar, como veremos mais tarde.
Os preparativos para a viagem decorreram normalmente e ao final da tarde o Boeing 727 da TAP estava a descolar na pista 03 do Aeroporto de Lisboa com destino a Faro, um pequeno voo com cerca de 50 minutos de duração que mal chegavam para completar os diferentes "check lists", fazer comunicações, navegar, ouvir a meteorologia e preparar a aterragem. Isto para além das formalidades habituais, a chamada "papelada". Estavam ainda longe os dias do "paperless cockpit", abençoada filosofia que reduziu drasticamente a quantidade de papeis que os pilotos eram supostos consultar ou preencher. O trabalho fazia-se, claro, mas em voos de curta duração não sobrava muito tempo. No limite dava para tomar um cafezinho durante os poucos minutos de cruzeiro mas só se a Chefe de Cabina não estivesse muito ocupada com o serviço aos passageiros. Obviamente, no meio de tanta azáfama a última coisa que um piloto deseja é receber a visita de um jovem armado com uma pistola, claramente tenso e perturbado, mas foi exactamente isso que aconteceu. Mas passemos então aos factos.
O avião tinha descolado há poucos minutos de Lisboa quando ouvi a porta do cockpit abrir-se e uma voz masculina gritar "Vamos para Madrid! Vamos para Madrid!". Olhei para trás e deparei com um vulto que apontava uma arma à cabeça do Operador de Sistemas, cujo painel de controle está localizado na parte direita do cockpit, por trás dos pilotos. Quando perguntei "O que é isto?'" a arma passou a ficar apontada à minha cabeça, o que me fez pensar por um instante que talvez devesse ter ficado calado. Mas já era demasiado tarde. Passada a fase da surpresa e incredulidade havia que tentar ganhar o controle da situação e aliviar a enorme tensão que entretanto se tinha instalado naquele espaço diminuto. Enquanto o Comandante accionava o sistema de alerta (não vou dizer como isso se faz mas os pilotos têm forma de avisar o Controle de Tráfego Aéreo que estão sob sequestro) tomei uma decisão que viria a revelar-se decisiva: apresentei-me ao intruso, disse o meu nome e perguntei o dele.
- Como te chamas?, inquiri acentuando o tratamento por "tu" para dessa forma estabelecer uma relação minimamente amistosa com o jovem que nos mantinha sob ameaça, agora que já era possível verificar que se tratava de um rapaz aparentando 17 ou 18 anos de idade. Era óbvio que estava claramente perturbado e sob grande tensão. A mão que segurava a arma tremia descontroladamente.
- Chamo-me R e peço desculpa pelos problemas que lhes estou a causar, respondeu o nosso imprevisto visitante mantendo porém a arma apontada à minha cabeça. Esta frase foi música para os meus ouvidos pois quem falava assim não deveria ser um perigoso terrorista, pensava eu. Um assassino potencial não pede desculpas pelo incómodo, só se for para gozar com as suas vítimas. Mas não me pareceu ser esse o caso. Fiquei mais calmo e comecei a acreditar que seria apenas uma questão de tempo até que a coisa se resolvesse.
- Mas que pretendes tu, R?, perguntei.
- Quero ir para Madrid, respondeu.
- Mas olha que não sei se temos combustível para tanto, acrescentei pensando que o argumento seria devastador para as expectativas do "R".
- Tens, tens. Eu sei que vocês levam sempre combustível para ir para um aeroporto alternativo em caso de mau tempo.
O nosso jovem tinha feito o trabalho de casa e sabia do que falava sobre esta e outras matérias, como adiante veremos. Porém naquele instante o que mais me interessou foi o facto de ele me ter tratado por "tu", pormenor que abria excelentes perspectivas para o que viesse a seguir. Pelo menos era isso que a minha visão habitualmente optimista da vida me sugeria e, como mais tarde veremos, não andava muito longe da verdade.
Como já foi dito eu era o elemento mais novo naquele cockpit e embora tivesse mais uma dúzia de anos de idade que o jovem que nos mantinha sob ameaça isso não parecia suficiente para criar uma barreira intransponível entre nós. Por outro lado estava a começar a fazer-se sentir a chamada Síndrome de Estocolmo, estado de forte dependência psicológica que se estabelece habitualmente entre sequestrador e sequestrado em situações de grande tensão. A vítima tende a olhar para o agressor com alguma indulgência e compreensão enquanto que este último sente algum alívio por ter encontrado alguém que entende o seu estado de espírito e está disposto a colaborar. Esta figura, a Síndrome de Estocolmo, manifestou-se durante todo o sequestro e viria a acompanhar-me de forma mais ou menos permanente durante alguns meses após o mesmo, como mais tarde veremos. Aliás, trinta e cinco anos volvidos sobre os acontecimentos ainda hoje não tenho a certeza de me ter completamente libertado do turbilhão de afectos que uma crise deste género proporciona.
Decidida a mudança de rota e alertado o Controle de Tráfego Aéreo tornou-se necessário avisar a restante tripulação e os passageiros que o nosso voo daquele fim de tarde iria terminar (esperava-se…) em Madrid. Mas era necessário não revelar o que estava a acontecer para evitar que o pânico se instalasse a bordo e viesse complicar ainda mais uma situação que já de si não era fácil. O Comandante pegou no microfone e disse qualquer coisa como:
- Senhores passageiros, pedimos desculpa pelo incómodo mas por razões de ordem meteorológica somos forçados a divergir para Madrid, pensando nós que isso bastaria para arrumar a questão e tranquilizar todas as pessoas a bordo.
Azar o nosso. Estava uma daquelas noites em que o Algarve se estendia por completo diante dos nossos olhos desde a Ponta de Sagres até Vila Real de Santo António. Nem uma nuvem toldava o horizonte. Qualquer passageiro que olhasse pela janela saberia imediatamente que o que acabara de ouvir não era verdade e que algo de preocupante se passava.
A primeira pessoa a sentir dúvidas foi a Chefe de Cabina que, desconfiando da explicação, logo se dirigiu ao cockpit para tentar saber o que se passava. Tentou abrir a porta mas esta estava trancada por dentro, sinal inequívoco que algo de anormal se passava. Ainda chamou pelo sistema de intercomunicação do avião mas ninguém lhe respondeu, o que confirmou as suas piores suspeitas. Mais tarde dir-me-ia que nunca lhe ocorreu que estivesse a acontecer um sequestro, pensando antes que um dos pilotos teria morrido, por qualquer razão, e o outro não queria que isso se soubesse. Apesar da sua profunda inquietação manteve a calma e o sangue frio perante os passageiros, o que fez com que ninguém desconfiasse das verdadeiras razões que motivaram aquela inesperada mudança de rota.


Origem do Voo:


“ O Aviador”

segunda-feira, 20 de março de 2017

Voo 3516 VAMOS A BISSALANCA?





Fernando Rantos
Esp.EABT (Sargº AJ)
Montijo






Olá Victor, desejo que estejas bem. 
Vou te solicitar a tua opinião sobre um assunto que há tempo ando a pensar: 
A maioria da malta que passou pela Bissalanca, parece, mordida pelo bicho da saudade, como acontece  comigo.
A ideia seria: porque não pensar em fazer algo, ou mais algo, que marcasse a nossa presença e o nosso reconhecimento por aquelas gentes, que gostam de nós e nós deles.
Porque não uma deslocação de um grupo da malta, lá,   durante alguns dias, tipo 15 dias, e fazer algo de marcante na Bissalanca, por exemplo, uma escola, uma biblioteca ou algo do género que eles bem precisem.
A ideia pode se ousada, mas parece-me realizável.
O que eu proponho é uma conversa convosco, administradores do blogue, se por acaso a ideia seja aceite, e serem vocês, a parte institucional que coordenariam as fases formais do trabalho a realizar pelos voluntários que quizesse aderir à ideia é posteriormente ao projecto escolhido.
Se quizeres publicar a ideia no blogue podes o fazer, mas talvez só depois de saber a tua opinião. 

Um grande abraço 
Fernando Santos


domingo, 19 de março de 2017

Voo 3515 TÁS D'BALADA COMPANHEIRO!




Manuel Lanceiro
Esp.MMA
Lisboa




O meu companheiro de recruta e de curso Luis Faria Costa, hoje Tenente Coronel no descanso publicou no facebook este poema.
E eu não resisti. Roubei-o, o poema claro está, porque o ALL III é nosso, pertence-nos é da família.
Publiquem este hino ao “Zingarelho” pois o Costa deu autorização para tal.




TÁS D´BALADA COMPANHEIRO!

Vais embora amigo!
Mais de meio século a servir Portugal!
Nos céus de Tancos,
De Montijo e Bissalanca.
De Luanda a terras do Moxico,
De Tete, Nampula e Mueda,
Até para lá de Timor.
Andamos juntos por todos esses sítios!
Quantas saudades nos deixas?
Passeaste a tua beleza,
Mostraste o teu poder,
Nas terras Portuguesas!
Grande e generoso amigo que foste!
Suportaste tudo!
O guincho, a carga suspensa,
Flutuadores de emergência,
Pantufas,IFR,foguetes,
«Lobo mau» lembras-te?
A Savana africana?
Os soldados em«AVP1» chamando a «Mosca»
Mosca ,mosca,terra chama!
Precisavam de ti, do correio,
Da comida, da evacuação,
Quiçá do «Lobo Mau».
Lembras-te velha «cotovia»?
Passei mais de trinta anos na tua companhia!
Em terra no mar ou no ar,
Contigo!
Conheço milimetricamente,
Todos os circuitos do teu corpo!
Ainda não foste e já tenho saudades tuas!
Também eu estou a esgotar o potencial!
É a frota em fim de ciclo!
Até sempre companheiro,
Até sempre velho ALOUETTE.

terça-feira, 14 de março de 2017

Voo 3514 PARTICIPAÇÃO NA FEIRA DO QUEIJO DE OLIVEIRA DO HOSPITAL.




Augusto Ferreira
Esp.Melec.Inst.Av.
Coimbra






 

Mais uma vez a convite do Sr. Presidente da C. M. de Oliveira do Hospital, esteve presente na Feira do Queijo deste ano, um conjunto de sócios do Núcleo de Coimbra da AEFA.
Liderados pelo nosso presidente José Andrade, que elaborou um programa em conjunto com a Câmara de Ol. Hospital, inserindo nele um roteiro turístico, em que ele próprio sabiamente fez de guia. Tudo se transformou num dia inesquecível, não fosse ele um filho da terra.
A passagem por Avô e seu miradouro. O passeio até junto do rio Alvoco.
Belas localidades que passámos serpenteando pela estrada, tendo sempre como companhia o bonito rio Alva.
Teve ainda a amabilidade de nos levar de visita a uma sua propriedade em Alvoco.
Para a Ponte das Três Entradas estava previsto o almoço por volta das 13h, onde nos iriamos encontrar com mais companheiros, que aí combinaram estar. Estava delicioso e pelo apetite que já trazíamos, ainda nos soube melhor.
Os horários estavam um pouco apertados e tínhamos que seguir para Oliveira do H., onde na Casa da Cultura nos aguardava uma mesa, para degustação de pequenas maravilhas da região.
Depois fomos até à Feira, onde era difícil penetrar, devido à grande concentração de pessoas no seu recinto.
Deu para visitá-la e comprar para trazer na volta, aqueles deliciosos queijos da serra e outras iguarias daquela região.
Regressámos já com o dia a noitecer, com uma brisa bastante fria que nos vinha já da serra da Estrela, brindados com um lindo por do sol.
Foi um dia de excelente convívio.
O nosso obrigado à Direcção do Núcleo, pelo programa que elaborou a partir do convite (que também agradecemos) nos foi endereçado pelo Sr. Presidente da C. M. de Oliveira do Hospital.
ESPECIALISTAS SEMPRE


segunda-feira, 13 de março de 2017

Voo 3513 CONVIVIO NUCLEO COIMBRA AEFA O.DO HOSPITAL




Manuel Pais
Esp.EABT
V.N.Gaia




Com mais uma realização de excelência , o Núcleo de Coimbra  , levou a efeito o seu convívio em Oliveira do Hospital , sob o tema " FESTA DO QUEIJO ".
Com um passeio deslumbrante pelas margens do ALVA E ALVOCO , com pano de fundo as Aldeias de Xisto , abriu o apetite para um lauto e magnifico almoço . 
Como o horário apertava a paragem seguinte foi na feira onde o Sr Presidente do Município  aguardava o grupo para um beberete de boas vindas.
Á Direção do Núcleo de Coimbra da AEFA  os nossos agradecimentos por mais uma realização cheia de  "cagança " que satisfez todos os participantes.
Como seria habitual , HOJE não junto a reportagem fotográfica , Apesar da máquina ter  "rolo " apenas captou uma única foto, como homenagem de quem muito  deu e recebeu dos SEUS  amigos e que hoje se juntaram na Igreja de Ermesinde , para o acompanhar " NO ÚLTIMO CONVÍVIO "



ATÉ UM DIA ZÉ VIEIRA  e que Nª Srª do Ar te receba  no seu Esplendor .


quinta-feira, 9 de março de 2017

Voo 3512 PARTICIPAÇÃO DO NÚCLEO DE COIMBRA DA AEFA NA FEIRA DO QUEIJO EM OLIVEIRA DO HOSPITAL



José Andrade
Esp.
Presidente do Núcleo de Coimbra da AEFA
Coimbra





Olá Victor

PARTICIPAÇÃO DO NÚCLEO DE COIMBRA DA AEFA NA FEIRA DO QUEIJO EM OLIVEIRA DO HOSPITAL

12/MARÇO/2017

Partida pelas 8:30 horas, do local do costume, junto ao viaduto da Casa do Sal, em autocarro da TRANSDEVE, seguindo pelo IC 2, IP 3, IC 6, estrada nacional n. 17, até Vendas de Galizes, tomando a estrada nacional nº. 230, passando por Vila Pouca da Beira, com paragem no Miradouro de Avô, seguindo-se a visita ao panorâmico Vale do Rio Alvoco, com passagem por Ponte das Três Entradas, Alvoco das Várzeas, Parente, Obra, Silvadal até Vide, retornando a Alvoco das Várzeas, para uma visita detalhada às suas belezas naturais, finda a qual regressamos a Ponte das Três Entradas, onde se juntarão a nós, os restantes colegas, que utilizaram transporte próprio e onde pelas 12:30 horas nos será servido o almoço com o cabrito da região, no Restaurante Varandas Verdes.
Terminado o repasto, iniciamos a visita, ao panorâmico Vale do Rio Alva, com passagem por São Sebastião da Feira, Santo António do Alva, Caldas de São Paulo (com visita, ao moderno complexo das suas águas termais), Penalva de Alva e Oliveira do Hospital, com chegada prevista pelas 14:00 horas.
Degustação do Queijo Serra da Estrela pelas 15:00 horas.
O Presidente do Núcleo de Coimbra
José Nunes Andrade                  

domingo, 26 de fevereiro de 2017

Voo 3511 FALECEU O ALCIDES LOPO.




Faleceu oTen.Pilav.Alcides Telmo Teixeira Lopo, um dos pilotos que integrou a Operação Atlas, primeira e única “travessia” em aviões de “reacção” (F-86F “Sabre”) de Monte Real para a Guiné-Bissau (no total de 3.888 km e o tempo de 07H50 sobre o Atlântico.

O seu corpo estará hoje, dia 26 em câmara ardente na Igreja  da Força Aérea (S.D. Benfica) a partir das 17:30. 2ª-feira realizar-se-á uma missa às 14.15 seguindo depois às 14:45 para o Crematório do Cemitério de Barcarena.

domingo, 19 de fevereiro de 2017

VOO 3510 – ESTÁ DE LUTO O NOSSO COMPANHEIRO JOÃO CARLOS SILVA










O nosso Amigo e companheiro, João Carlos Silva está neste momento a viver um momento difícil na sua vida pela perda do seu querido Pai, esta manhã.

Em nome do Comando desta unidade e de todos os elementos que nela estão inseridos, enviamos ao nosso companheiro João Carlos Silva um abraço muito forte e solidário, apresentando-lhe as nossas sentidas condolências assim como a toda a Família.

Ainda não sabemos mais elementos para vos transmitir sobre as cerimonias fúnebres, mas assim que soubermos participaremos.  


PAZ À SUA ALMA.

Voo 3509 REENCONTRO DE "VELHOS" AMIGOS.







Alfredo Santos
Esp.EABT
Lisboa





Ontem, uma rua da Mouraria, estiveram as emoções à solta, um Reencontro de "velhos" Amigos, que a vida resolveu desencontrá-los durante 44 Anos. Foi reviver o passado, sentir o presente e falar do futuro. Estas duas fotos são o testemunho dessa vivência, uma dos momentos da nossa comissão (1972/1974) na Base Aérea B.A.12 - Bissalanca/Guiné , na mesma Esquadrilha de Abastecimento e a "ressonar" no mesmo quarto, a outra foi a alegria continuada dessa Amizade que o Tempo, amadurecer e fez questão de dizer:


Venha lá esse Abraço. Meu querido Amigo Carlos Pinto, obrigado por ontem termos dado azo às nossas "memórias".

domingo, 12 de fevereiro de 2017

Voo 3508 CERIMÓNIA DE ENTREGA DO F-84G THUNDERJET AO MUSEU DO AR, EM 23 DE JUNHO DE 2016






Paulo Moreno
Sold.Fotog.FAP
Embra
Marinha Grande


UM DIA DE FESTA

Depois de mais de 3 Anos de restauro do F-84G Thunderjet, um trabalho chefiado pelo Sarg.-Ajudante Albano Torres,ficaram assim reunidas as condições, para que o primeiro avião de jacto militarem Portugal, venha a ocupar o seu merecido lugar no Museu do Ar. A Cerimóniaveio mesmo a juntar, osPilotos e Mecânicos mais antigos da grande Família FAP.
Logo cedo e na sala de embarque do AT-1, pude presenciar o grande dia que iria testemunhar, pois consegui fotografar alguns dos Veteranos que com grande entusiasmos se reencontravam, e que encontros.
Podemos ver juntos dois Pilotos da BA-9 Esq. 93 Magníficos, Sr.  Cmdt. Perestrelo e Sr. Cap. Fernando Moutinho; na mesma foto pudemos ver o Sr. Gen. Carlos Perestrelo.

Noutra foto pudemos ver o Cmdt. Lopo e o Sr. Cap. Fernando Moutinho, FALCÕES fundadores, e uma foto tirada da carteira do Sr. Cmdt. Lopo, dos velhos tempos.


 Era chegada a hora do embarque no C-130 com destino ao AM-1, um voo rápido. 


Já na chegada os convidados foram recebidos pelo Sr. Cmdt. do AM-1, Coronel Carlos Páscoa.


Testemunhei mais alguns encontros, de gerações diferentes mas ligadas entre si... novamente o Sr. Cmdt. Lopo e o Sr. Cmdt. Victor Silva num abraço espontâneo de quem não se via há muitos anos. 




De seguida uma visão muito rara pois actualmente só temos três pilotos vivos que fizerem parte da “Operação Atlas 1961”, os Cmdts. Lopo e Rui Cunha juntos novamente nesta cerimónia.





Mais uma curiosidade desta cerimónia, podemos ver dois dos primeiros mPilotos dos A-7P Sr. Gen. Pinheiro e Sr. Cmdt. Victor Silva, este o primeiro Falcão-Mor da Esq. 302.




Tempo para também apreciarem o polo museológico do AM-1 e, chegada a hora de ocupar os lugares para dar início à cerimónia de entrega do F-84G, depois de se destapar o F-84G, desvendado o beíssimo avião e o bom trabalho de restauro, houve um tempo para quem quisesse intervir. 






Podemos ver uma das intervenções feita pelo Piloto de F-84 Sr. Cmdt. Pardal, também Falcão fundador.





De seguida todos puderam apreciar o F-84G mais de perto...








Tive então mais uma vez o privilégios de fotografar mais um momento, que não podia passar em branco: Na frente deste do F-84G que era o N.º 5187 o avião reserva dos “DRAGÕES” encontrei em plena contemplação do F-84G os elementos ainda vivos da grandiosa Patrulha Acrobática Os “Dragões”, o Sr. Gen. Lemos Ferreira e o Sr. Cap. Fernando Moutinho, que trazia mesmo uma camisola do seu F-84G dos “DRAGÕES”. Na foto podemos ver ainda outro Piloto que passa, o Sr. Francisco Afonso.







Seguiu-se um almoço convívio de pé, com direito a um bolo representativo duma cerimónia que cedo se tornou numa festa de família, a grande família FAP.









Paulo Moreno